Thursday, 31 October 2013

Consulta pós-parto

Ontem fui à consulta de revisão pós-parto com a verloskundige.
Perguntaram-me como me sinto e agora, ao olhar para trás, como vejo a experiência do parto.
Entre outros tópicos, foi abordada a amamentação, a perda dos lóquios e o regresso à actividade sexual e ao exercício físico.
Ainda me examinou (só porque abordei o assunto) para se certificar que os pontos estão bem cicatrizados.
E assim termina a minha experiência com as parteiras Holandesas :)

Sunday, 27 October 2013

O parto e pós-parto

Já passaram 7 semanas desde que fomos presenteados com a nossa princesa e o tempo parece passar a voar.
Fazendo um resumo, as águas rebentaram-me na 6ª Feira de manhã sem que eu me apercebesse. Pelas 9h30 deu-se a perda do tampão mucoso mas, como não houve perda de sangue nem estava com dores, continuei com a minha vidinha pois podia levar ainda alguns dias até a Maria nascer. As contracções apenas começaram após o jantar mas na altura nem pensei que fossem contracções. Ao longo da noite, ainda que não tivesse nada a ver com a descrição que conhecia das ditas contracções, comecei a associar uma coisa à outra e passei a cronometrá-las até que, por volta das 8h30 da manhã, liguei à verloskundige. Ela veio cá a casa examinar-me: estava com 1 cm de dilatação. Disse-me para voltar a lhe ligar daí a umas horas, quando achasse que já estava a ficar difícil de suportar as dores.
Voltei a ligar-lhe perto das 13h. Após nova observação, disse-me que estava apenas com 2 cm de dilatação - oh God! - mas como viu que já me estava a custar, sugeriu-me que fossemos para o hospital.
Algum tempo depois de estarmos no hospital, já instalada no quarto e na companhia do jeitoso, a verloskundige informou que a parte dela terminava ali - como informei que queria levar a epidural, a partir dali seria acompanhada pela verloskundige e médica do hospital. Mas tive que insistir para que chamassem o anestesista - acho que estavam a ver se eu mudava de ideias e decidia ter um parto "100% natural". Levei finalmente a epidural pelas 17h30 quando estava com 5 cm de dilatação e, passados uns 10 minutos, chegou a bonança e até cheguei a cochilar nas horas seguintes.
No entanto, a epidural fez com que o aumento progressivo das contracções/dilatação abrandasse, pelo que administraram-me oxitocina para voltar a aumentar a frequência destas.
Pelas 22h, já me encontrava com 10 cm de dilatação e tinha chegado à fase da expulsão, assistida pela enfermeira e verloskundige do hospital. A Maria acabou por nascer às 00h30 de Domingo e foi colocada imediatamente em cima da minha barriga, onde penso que ficou durante cerca de 1 hora antes de irem medi-la e pesá-la (mas mesmo lá no quarto, na presença do pai).

Tivémos que ficar mais 2 dias no hospital após o parto pois havia risco de infecção para a Maria por ter passado mais de 24 horas entre me rebentarem as águas e o nascimento, agravado pelo facto de eu ter tido um pouco de febre durante o parto. Então foi necessário aguardar 48 horas pelo resultado de umas análises de sangue de modo a saber se a Maria iria precisar de antibióticos. Felizmente, não foi necessário e tivémos alta médica na 3ª Feira de manhã.

Do hospital, só temos críticas positivas a fazer! Desde as instalações e procedimentos ao pessoal que lá trabalha. A amabilidade e boa disposição de todos (enfermeiros, parteiras, auxiliares e médicos); o terem-nos deixado ficar a maior parte do tempo sozinhos no quarto até chegar à fase da expulsão (enquanto eu e a bebé éramos monitorizadas do exterior) o que tornou tudo muito mais íntimo e sereno; o facto de não me terem feito uma episiotomia (benditos Holandeses defensores da naturalidade) nem estarem com muitas pressas; nada de aspirarem o nariz nem a boca da bebé à nascença nem de lhe administrarem nitrato de prata nos olhos; enfim, até a comida do hospital era boa.
Não tive filhos antes, não faço ideia quais são os procedimentos num parto em Portugal, mas posso dizer que se acontecer voltar a ter outro filho espero tê-lo novamente na Holanda! Desde o acompanhamento durante a gravidez até ao parto, tudo foi tratado sempre com muita naturalidade, sem grandes dramatismos, sem me estarem constantemente a examinar. Confesso que os Holandeses convenceram-me: não há necessidade nenhuma de uma gravidez sem riscos ser seguida por um médico. O acompanhamento feito pelas parteiras parece-me mesmo o mais adequado - como gostaria de ver este sistema a funcionar no meu país! Sei que muita gente vai ficar escandalizada e discordar completamente - eu também fiquei chocada quando cá cheguei e soube que, num país supostamente tão evoluido, a grávida era acompanhada por parteiras (uma palavra que associava ao tempo das minhas avós!). Mas, num país em que raros são os casais que se ficam pelo primeiro filho e onde parecem achar 3 um bom número, pareceu-nos que alguma coisa deviam estar a fazer bem e quisemos  dar-lhes o benefício da dúvida. E ainda bem que assim o fizémos, pois a experiência foi muito positiva.

Quando voltámos para casa, tivémos o apoio da kraamverzorgend durante a primeira semana - e que ajuda foi!
Ela estava aqui para mim e para a bebé. Todos os dias via-me a temperatura e a pulsação, examinava a cicatrização dos pontos e apalpava-me a barriga para verificar o reposicionamento do útero. Também numa base diária, verificava a temperatura da Maria e pesava-a. Ensinou-nos a dar banho à bebé e a maneira mais apropriada de fazer-lhe a cama. Havia uma preocupação constante em evitar a proliferação de bactérias de modo a evitar infecções, por isso mudava-me os lençóis da cama e desinfectava o quarto-de banho diariamente, assim como tratava de pôr a nossa roupa e a da Maria a lavar. Ainda aspirou a casa e engomou roupa algumas vezes. Ajudava com a amamentação e, durante a tarde, "obrigava-me" a ir me deitar um bocado para descansar - e como me sabia bem aquela horinha de sono!
Só não precisou preocupar-se com a comida pois o jeitoso estava por casa nesses dias e tratava do almoço.

Ah, durante essa primeira semana, a verloskundige veio duas vezes cá a casa para ver como estava a ser a minha recuperação e também vieram cá fazer o teste do pezinho à Maria.

Agora a Maria, é uma bebé querida e bem disposta que já nos delicia com lindos sorrisos. Infelizmente, teve cólicas muito fortes desde muito cedo e parte-se-me o coração vê-la em sofrimento mas temos tentado várias "soluções" para diminuir as cólicas. Só sei que se mais alguém me diz que "é normal, todos os bebés têm cólicas" eu juro que apanha nas fuças! Não sou idiota, sei que os bebés têm cólicas, mas isso não invalida que me sinta destroçada de vê-la a contorcer-se e espernear com dores.
E nós? Nós andamos cansados, mesmo à exaustão, devido às noites mal dormidas especialmente por causa das cólicas - e o próximo que me disser que recém-nascidos apenas comem, dormem e sujam fraldas também leva nas trombas! - mas tudo isso é esquecido quando olhamos para a nossa princesa :)